Tour de France 2015, Últimos Ajustes Nas Bikes.

bianchi-crono

Com 1 dia  antes do início do Tour de France 2015 , os mecânicos profissionais estavam trabalhando febrilmente para montar, remontar, afinar, e  lustrar as bicicletas.

 Com o Tour este ano incluindo novamente uma etapa de paralelepípedos – muitos ciclistas estão chamando a  4ª etapa de Paris-Roubaix, uma vez que passará em algumas seções de pavé da clássica da primavera – muitas equipes trouxeram bikes de endurance como fariam para Paris-Roubaix  Além das bicicletas padrão para estrada.

Assim a corrida deste ano começa com um contra relógio as bikes têm de ser preparadas também. 

E uma vez que cada ciclista necessita de pelo menos um, se não dois, back-up bikes para cada tipo de máquina, o número total de bicicletas aumenta rapidamente.

Neste ponto da temporada, as posições dos pilotos são solidificadas, e coordenadas os ajustes são padronizados em todas as suas bicicletas. 

Alguns mecânicos usam planilhas para manter o controle dos dados; outros usam notas manuscritas detalhadas.

lista

Mas, enquanto todas as coordenadas de ajuste são idênticos a partir de uma bicicleta para o outro, pelos componentes não é sempre o mesmo.

 Na maioria das vezes, as bicicletas B ou C para os ciclistas vão faltar um medidor de energia, ou ter um medidor de energia diferente, enquanto a bike A  terá o  set-up principal.

plasma

Algumas bicicletas estavam sendo montadas pela primeira vez a parte mecânica, como a Specialized S-Works Venge assim como a bike look 796 de contra-relógio.

look-796

Algumas bicicletas B ou C, no entanto, já carregam as cicatrizes de batalha da corrida anterior, com os arranhões reveladores sobre desviadores traseiros e nicks fora da pintura.

Escolha e pressão do pneu para a 4ª etapa  continuou a ser um ponto de discussão para os ciclistas e mecânicos nos dias antes do Tour. 

bianchi-oltre

Embora existam pedras, existem apenas sete setores com uma distância total de 13,3 km – em nenhum lugar perto da quantidade na Paris-Roubaix. Então, os ciclistas querem que seus tubulares seja  leve e rápido em todo terreno da etapa de 224 km. 

No entanto, os ciclistas também querem ficar o mais confortável possível, com o máximo de tração possível, através daqueles 13,3 km de calçamento.

Klas Johansson mecânico da equipe MTN Qhubeka  disse que seus ciclistas provavelmente vão começar com 6bar / 87psi com a esperança ou expectativa de que a pressão do ar vai diminuir para cerca de 5.5bar / 80psi sobre as primeiras horas de corrida antes de bater nas pedras.

Alex Banyay  mecânico da equipe Cannondale-Garmin disse que seus ciclistas vão estar executando o mesmo set-up que fez em abril no Paris-Roubaix.

Sobre blogdebicicleta

Ola! Sou Virsão, este blog é para ajudar a divulgar o ciclismo, mostrando todas as notícias, fatos, denúncias, provas sobre o esporte caso tenha alguma matéria ou fato a ser públicado nos envie que divulgaremos no blog.
Galeria | Esse post foi publicado em federaçao paulista ciclismo, FPC, giro d'itália, media paulista ciclismo, MPC, mundial ciclismo, paris - roubaix, Postadas, resultados ciclismo, tour de france. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s